quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Natal sem Cunha!!! Vamos derrotar o crime, a mentira, a chantagem e o golpe

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, quer o impeachment da presidenta da República.

O povo brasileiro sabe quais os interesses e motivos de Eduardo Cunha.

1. Eduardo Cunha mantém uma conta bancária no exterior, onde estão depositados o equivalente a 9 milhões de reais, de origem ilícita;

2. Eduardo Cunha não apenas ocultava a existência desta conta, como mentiu a respeito em depoimento oficial numa Comissão Parlamentar de Inquérito;

3. Acusado de crime e mentira, Eduardo Cunha foi submetido à comissão de ética da Câmara dos Deputados, o que pode resultar na sua cassação, o que por sua vez facilitará seu julgamento e quiçá prisão;

4. Eduardo Cunha chantageou o Partido dos Trabalhadores e o governo. Avisou que se os três deputados do PT, integrantes da Conselho de Ética da Câmara, votassem a favor da admissibilidade do processo contra Eduardo Cunha, ele daria andamento ao processo de impeachment da presidenta da República;

5. A militância petista, com destaque para a presidenta Dilma Rousseff, o presidente nacional do Partido dos Trabalhadores e a bancada do PT na Câmara dos Deputados, não se dobraram à chantagem. O PT anunciou publicamente que votará a favor da admissibilidade do processo contra Eduardo Cunha na Conselho de Ética da Câmara;

6. Ao saber da posição do PT, Eduardo Cunha cumpriu a ameaça e deu andamento ao processo de impeachment. Em troca, espera contar com os votos dos deputados do PSDB e do DEM, que votariam a seu favor no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados;

7. Este é o enredo: um crime, uma mentira, uma chantagem e agora uma tentativa de golpe. Mas não vai ter golpe!!!

8. Os setores democráticos, progressistas, populares e de esquerda já estão mobilizando para que no mínimo 172 parlamentares votem contra a admissibilidade do impeachment e detenham o golpe, começando a reconstruir a governabilidade necessária para implementar o programa vitorioso nas eleições presidenciais de 2014;

9. A mobilização contra o impeachment é a tarefa central de toda a militância nos próximos dias e semanas e se articula com a defesa das conquistas, contra os retrocessos; com a defesa da Petrobrás, contra privatistas e entreguistas; contra quem fecha escolas e constrói prisões;

10. O destino do Brasil dependerá, mais uma vez, da capacidade de mobilização e luta dos integrantes das Frentes populares e de esquerda, das centrais sindicais e sindicatos, dos movimentos sociais e populares, dos estudantes em luta, das organizações de juventude, mulheres, negros, LGBT, indígenas, da intelectualidade democrática, de cada cidadão e cidadã: o Brasil não pode e não vai cair sob o domínio da mentira, do crime, da chantagem e do golpe.

Fora Cunha, não vai ter golpe!!!

2 de dezembro de 2015
Direção nacional da tendência petista Articulação de Esquerda


11 comentários:

  1. Cadeia
    Um
    Nível
    Hoje
    Acertado para vc Cunha.

    ResponderExcluir
  2. Cadeia
    Um
    Nível
    Hoje
    Acertado para vc Cunha.

    ResponderExcluir
  3. É muito engraçado, um país se diz democrático na hora de colocar um governante e num momento tão importante como esse meia dúzia é que decide se deve ou não tirá lo.

    ResponderExcluir
  4. Bota uma foto nessa publicação para facilitar a divulgação!

    ResponderExcluir
  5. Posição do PSOL frente a mais uma tentativa de GOLPE!!
    NOTA DO PRESIDENTE NACIONAL DO PSOL
    Sobre a decisão de Eduardo Cunha de aceitar pedido de impeachment da presidente Dilma:
    A aceitação do processo de impeachment por Eduardo Cunha é mais uma demonstração da deterioração da politica brasileira.
    Acuado pela possibilidade de ser cassado, Cunha passou a semana chantageando o PT para que este votasse pelo arquivamento da denúncia feita pelo PSOL.
    Esta chantagem não contava com a repercussão na opinião pública. Ao decidir votar contra Cunha no Conselho de Ética da Câmara, este deu o troco e autorizou o processo de impeachment.
    O PSOL faz oposição de esquerda ao governo Dilma, combate seu pacote de ajuste fiscal nas ruas e no parlamento. Da mesma forma, temos defendido rigorosa apuração de toda corrupção no Brasil, com o fim do financiamento privado das campanhas eleitorais.
    No entanto, concordar com o impeachment é reforçar a estratégia da direita de acelerar o ajuste e a pauta conservadora.
    Os trabalhadores foram enganados por Dilma, mas ela foi eleita. Entregar o governo pra direita é acelerar processo de perda de direitos.
    Nossa reunião do Diretório Nacional desta quinta-feira (03) e o nosso 5º Congresso Nacional, que ocorrerá no final de semana, devem reafirmar nossa trajetória de coerência. Não ajudaremos Cunha e a direita se fortalecerem, ao mesmo tempo em que aprofundaremos nosso apoio às mobilizações contra o ajuste e o retrocesso.
    Luiz Araújo
    Presidente Nacional do ‪#‎PSOL‬

    ResponderExcluir
  6. A esquerda brasileira sempre esteve a enfrentar incessantes ataques da direita conservadora, engrossada ultimamente pelo tucanato. A onda neoliberal não conseguiu varrer as esperanças de busca da transformação social. Aécio, FHC, Serra e seus apaniguados amargaram a derrota eleitoral, alimentando o golpismo, que sempre foi arma contra os mais legítimos princípios dos direitos populares. Infelizmente, o PT não conseguiu aproveitar a insanidade destes conservadores para se firmar ainda mais junto à população. Não trilhou a trajetória que é a mais adequada à sua história. Sua direção majoritária e Lula fizeram o partido enveredar por uma aventura de negociatas com a direita, ficando refém de tipos como Roberto Jefferson, Cunha, Collor, Temer, Delcídio, Renan, Lobão, Sarney, ACM, Maluf, Jáder e vai por aí afora. Além de não se esforçar para consolidar o PT como partido de massas popular, democrático e de esquerda, esta direção oportunista, burocrática e de gabinetes parlamentares, embarcou em erros grosseiros do tipo eleger Lula de qualquer jeito e escolher candidato a presidente da república sem discussão aprofundada nas bases somente porque Lula queria assim. O desfecho foi esse: Dilma, não petista, no entanto, reconhecemos, mais de esquerda do que Lula, assumiu enfraquecida e entregue às chantagens dos bandidos da direita. O conjunto de conchavos de Zé Dirceu, Delúbio, dentre outros descolados da militância de bases sindicais, religiosas, intelectuais e de movimentos sociais, que foi quem deu corpo e alma ao PT na sua criação,só poderia mesmo criar situações como Mensalão, Petrolão e Cunhão. A batata quente agora está aqui: uma queda de braço entre o que ainda resta do PT e a direita. Quem é de esquerda não vai deixar que a pequenez de Paulinho da Força Sindical, Bolsonaro, dentre outros duendes, venha intimidar o PT, símbolo de uma geração que enfrentou e desbancou o autoritarismo e a tortura. Podem até tentar, mas a esquerda brasileira não vai aceitar o golpe de se tirar a Dilma da cadeira de presidente de qualquer jeito só porque um ladrão de dinheiro público quer. Ela poderá até sair, mas se a esquerda entender que ela saia, passando a faixa presidencial para um brasileiro ou brasileira eleito pelo voto popular. E até ela sair, a esquerda irá cobrar dela que governe, também, como representante da esquerda, porque estará enfrentando sem tréguas a direita destruidora das vidas dos trabalhadores..

    ResponderExcluir
  7. Ah, ia me esquecendo! É quanto a esta peça fantasmagórica, o Cunha. Cadeia imediata para este ladrão de dinheiro da Petrobras e repatriação do numerário da Suiça para cá. Não sei porque a justiça brasileira ainda não fez com ele o que fez com o esperto do Delcídio do Amaral, homem plantado por FHC para roubar a Petrobras, que conseguiu cair nas graças do Lula para entrar no PT e conseguiu. Incrível!

    ResponderExcluir